sábado, 28 de março de 2015

Sequestraram a camisa verde-amarela só pode usá-la quem for contra o PT, Lula e Dilma. Informo que sou brasileiro votei em todos eles e uso a camisa verde-amarela.

Programa do PCdoB defende Dilma, a Petrobras e a Democracia.

A lama está chegando aos detratores, inclusive na isenta e imparcial. Zelotes vem aí para se juntar a lista do HSBC. Esconder e omitir são os verbos mais utilizados, mas mesmo assim a lama está chegando. A próxima manifestação democrática contra a corrupção estará desfalcada de alguns investigados corre o risco de perder muita gente pelo caminho o tempo trará novidades que estão sendo omitidas. A lama vem aí!

Quando se aplica a Teoria do Domínio do Fato? Zelotes? HSBC? Mensalões? Metrô?

Em defesa da Petrobras. Por Vanessa Grazziotin - de Brasília. No jornal Correio do Brasil.

Em defesa da Petrobras

25/3/2015 10:48
Por Vanessa Grazziotin - de Brasília

Rep/Web

Muitos brasileiros talvez ainda não perceberam, mas está em curso uma campanha diuturna para atacar a Petrobras, sua imagem e suas atividades. A pretexto de combater à corrupção, essa investida tem como pano de fundo a redução da empresa na sua capacidade de exploração dos recursos do pré-sal.
A virulência dos ataques à estatal aumentaram na medida em que ficou claro o tamanho da reserva do pré-sal, e aumentaram exponencialmente quando o modelo de exploração colocou a Petrobras no centro dessa atividade.
Tenho defendido no parlamento o rigor na apuração das denúncias de corrupção e a punição dos envolvidos, independente de coloração partidária.
Não se pode criminalizar a empresa pelo comportamento de alguns, assim como não se pode tratar diferentemente quem tiver cometido crimes.
Não podemos deixar de lado a gênese dos problemas, mas também não podemos ser ingênuos: há poderosos interesses contrariados pelo crescimento da Petrobras.
Submersa por toneladas de notícias e artigos críticos, este ano vimos a Petrobras se tornar a maior produtora de petróleo do mundo.
No terceiro trimestre do ano passado, a empresa se tornou a maior produtora de petróleo do mundo, entre as empresas de capital aberto, com uma média de 2,2 milhões de barris/dia.
A Petrobras tornou-se a maior produtora de petróleo entre as empresas de capital aberto no mundo, após superar a norte-americana ExxonMobil.
A Petrobras também foi a empresa que mais aumentou a sua produção de óleo, tanto em termos percentuais quanto absolutos, em 2014 até setembro.
No entanto, a cada conquista, os ataques se tornam mais fortes, agressivos e virulentos. Trata-se de um ataque sistemático que, ao invés de esclarecer, lança indiscriminadamente a suspeita sobre a empresa, seus contratos e seus 86 mil trabalhadores dedicados e honestos.
Longe de ser uma empresa em ruínas, no ano de 2014, a Petrobras acumulou os seguintes resultados: a produção de petróleo e gás alcançou a marca histórica de 2,670 milhões de barris equivalentes/dia (no Brasil e exterior); o Pré-Sal produziu em média 666 mil barris de petróleo/dia; a produção de gás natural alcançou 84,5 milhões de metros cúbicos/dia; a capacidade de processamento de óleo aumentou em 500 mil barris/dia, com a operação de quatro novas unidades; a produção de etanol pela Petrobras Biocombustíveis cresceu 17%, para 1,3 bilhão de litros.
Não se debate, nem se leva em conta a venda, a preço vil, de 108 milhões de ações da estatal na Bolsa de Nova York, em agosto de 2000, pelo governo do PSDB.
Aquela operação reduziu de 62% para 32% a participação da União no capital social da Petrobras e submeteu a empresa aos interesses de investidores estrangeiros sem compromisso com os objetivos nacionais. Mais grave ainda: abriu mão da soberania nacional sobre a Petrobras.
O valor de mercado da Petrobras, que era de US$ 15 bilhões em 2002, é hoje de US$ 110 bilhões, apesar dos ataques especulativos. É a maior empresa da América Latina.
Segundo manifesto da FUP (Federação Única dos Petroleiros), a participação do setor de óleo e gás no PIB do país, que era de apenas 2% em 2000, hoje é de 13%. A indústria naval brasileira, que havia sido sucateada, emprega hoje 80 mil trabalhadores. Além dos trabalhadores da Petrobras, o setor de óleo e gás emprega mais de 1 milhão de pessoas no Brasil.
Por fim, não há espaço para acobertar mal feitos. Mas também não há nenhuma dúvida de que o desenvolvimento de nosso país passa pelo fortalecimento da Petrobras, pela garantia do sistema de partilha, do Fundo Social, pelo papel estratégico da Petrobras na exploração do Pré-Sal e pela preservação do setor nacional de Óleo e Gás e da Engenharia brasileira.
Vanessa Grazziotin,  é senadora pelo PCdoB-AM.

Mídia ignora fraude de R$ 19 bilhões no setor privado. No Blog da Helena.


Operação zelotes

Mídia ignora fraude de R$ 19 bilhões no setor privado

PF realizou Operação Zelotes na sede do Safra e em empresas dos ramos bancário, siderúrgico, automobilístico e da construção civil no esquema, que por enquanto deu prejuízo de R$ 19 bi à Receita
por Helena Sthephanowitz publicado 28/03/2015 09:51
pf/divulgação
zelote.jpg
Nas operações de busca realizadas em Brasília, SP e Ceará, foi apreendido R$ 1 milhão em dinheiro vivo e carros de luxo
Na quinta-feira (26), a Polícia Federal realizou a Operação Zelotes na sede do banco Safra,  e em empresas dos ramos bancário, siderúrgico, automobilístico e da construção civil no esquema, que por enquanto, deu  prejuízo de R$ 19 bilhões à Receita Federal a partir da anulação ou redução indevida de multas aplicadas pelo órgão em São Paulo. A PF atuou  em conjunto com a Corregedoria-Geral do Ministério da Fazenda, Receita Federal e Ministério Público Federal, para cumprir mandatos de busca e apreensão dentro da investigação de um esquema que corromperia conselheiros e funcionários do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), para anular, reduzir ou atrasar cobrança de impostos pela Receita Federal.

Segundo a PF, a investigação já constatou R$ 5,7 bilhões de impostos sonegados neste esquema, mas os valores suspeitos, ainda em investigação, alcançam a estimativa de R$ 19 bilhões. É um valor muito superior aos desvios na Petrobras estimados pelo Ministério Público Federal na Operação Lava Jato. Nas operações de busca realizadas durante a manhã em Brasília, São Paulo e Ceará, foram apreendidos R$ 1 milhão em dinheiro vivo e carros de luxo.
Todo e qualquer tipo de corrupção é nefasto e não existe corrupção "melhor" do que outra. Claro que os efeitos piores para a sociedade sempre são daqueles desvios que causam maior dano ao erário, reduzindo verbas públicas. Mesmo assim, há uma ironia conceitual na sonegação que é pouco abordada. Se um hospital público é construído com dinheiro dos impostos cometendo crimes de superfaturamento e propinas, uma parte do dinheiro público é roubada. Mas se sonegadores subornam fiscais e nem chegam a pagar os impostos devidos, roubam o hospital inteiro, já que nem chega a ser construído por falta da verba, que haveria se o imposto fosse recolhido. A sonegação é o crime do "rouba e não faz", com duplo prejuízo para a sociedade.

Porém, a sonegação atrai pouca atenção e pouco repúdio da mídia empresarial oligárquica. Basta comparar o tempo e espaço no noticiário dedicado a cada caso, além da própria ênfase dada. A Operação Lava Jato vai fazer aniversário de um ano que não sai do noticiário, tendo ou não notícia nova relevante. Já as contas secretas de brasileiros no banco HSBC suíço tem um tratamento muito mais discreto. E a Operação Zelotes caminha para ter um tratamento mais discreto ainda, apesar do rombo estimado de R$ 19 bilhões.
Parece até que a sonegação é vista com certa simpatia por setores mais ricos da sociedade, onde se incluem alguns donos da mídia, como se sonegação fosse apenas um deslize, ou até um "desagravo" à obrigação que todos têm de pagar impostos na forma da lei para vivermos em uma sociedade civilizada.

Voltando ao Carf, o órgão se assemelha a um tribunal no âmbito administrativo, procurando resolver contestações sobre cobrança de impostos antes de ir à disputa judicial. Tem metade de seus membros composta por funcionários de carreira da Receita Federal, e a outra metade composta por representante dos contribuintes indicados por entidades classistas empresariais. Em geral, indicam advogados tributaristas. Havendo empate em um julgamento, um representante do fisco dá o voto de minerva, com o objetivo de a autoridade tributária deter maioria e ter a palavra final em caso de divergência equilibrada.

Essa estrutura existente há 80 anos que parecia equilibrada para ambos os lados, hoje julga recursos que envolvem R$ 565 bilhões em impostos. Os altos valores envolvidos atraíram a cobiça e a corrupção.

De acordo com a PF, escritórios de advocacia e consultoria intermediavam "facilidades" entre os contribuintes e os conselheiros que julgavam seus processos. Empresas de consultoria e honorários de advogados seriam usados como meio de lavar dinheiro para pagar propina.

Segundo a PF, são investigados desde 2013 cerca de 70 processos administrativos sob suspeita. Os investigadores não revelaram nomes das empresas nem das pessoas envolvidas, alegando sigilo. Mas informaram que são investigados grandes bancos, empresas do ramo automobilístico, da indústria, da siderurgia e do agronegócio.

A sede do Safra foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão. Mas não foi informado se o banco é investigado ou se é alguma pessoa física que trabalha no banco. Um dado relevante é o diretor de questões tributárias do banco ("Tax Diretor") e diretor setorial tributário da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Carlos Pelá, ser também conselheiro do Carf.

Empresas do grupo Gerdau também seriam alvo da operação segundo o noticiário. As principais suspeitas recaem sobre empresas que contrataram as consultorias que exerciam influência junto ao Carf para controlar o resultado favorável de julgamentos.

Renato Janine Ribeiro vai assumir a Educação. "Venceremos a corrupção quando ela parar de servir de pretexto político de um lado contra o outro e for mesmo repudiada pela maior parte da população. Não é o caso – ainda." No Brasil 247.

Renato Janine Ribeiro vai assumir a Educação

: Um dos mais conceituados intelectuais brasileiros, o professor Renato Janine Ribeiro, que leciona ética e filosofia na Universidade de São Paulo, assumirá o Ministério da Educação, na vaga aberta após a saída de Cid Gomes; informação foi antecipada no blog de Gerson Camarotti; nesta semana, Janine publicou um importante artigo sobre a indignação seletiva de parte da sociedade brasileira; "Tratar o sintoma não é a solução. Meias medidas são meros paliativos. É preciso chegar às causas. Venceremos a corrupção quando ela parar de servir de pretexto político de um lado contra o outro e for mesmo repudiada pela maior parte da população. Não é o caso – ainda", disse ele.

Brasil 247 - Um dos mais conceituados intelectuais brasileiros, o professor Renato Janine Ribeiro, da USP, será o novo ministro da Educação. A informação foi antecipada por Gerson Camarotti:
Professor Renato Janine Ribeiro deve assumir Ministério da Educação
O professor Renato Janine Ribeiro, da Universidade de São Paulo, deverá ser o novo ministro da Educação. Ele é titular da cadeira de Ética e Filosofia Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Janine Ribeiro poderá ser anunciado ainda nesta sexta. Ele foi visto no Palácio do Planalto e esteve no prédio do Ministério da Educação, na Esplanada dos Ministérios.
Leia, ainda, artigo publicado por Janine Ribeiro nesta semana, na Folha de S. Paulo:
Tem razão quem se revolta
As legítimas manifestações de 15 de março caíram no engodo de construir um Outro demoníaco, aquele que acabou com o que era doce
"On a raison de se révolter", dizia o filósofo francês Jean-Paul Sartre no fim da vida, quando, depois de maio de 1968, se cansou de esperar que o Partido Comunista se consertasse e fez causa comum com os maoistas. Não é fácil traduzir a frase de Sartre. Seria algo como "tem razão quem se revolta".
Mas qual razão, quanta razão? Eu diria que é a razão do sintoma: sente-se a dor, procura-se a infecção, mas queixar-se não é diagnosticar a doença, menos ainda curá-la. O último dia 15 de março foi isso. A queixa é correta, o tecido social está sofrendo, mas diagnóstico e prognóstico ficaram pela metade.
A queixa: não se aguenta mais a corrupção. O caso da Petrobras mostra uma crise grave em uma de nossas maiores empresas. Pior, uma empresa que pertence a todos nós. Muito resta a explicar, da falta de controle à pura indecência. Como o PT foi entre tolerante e partícipe do processo, ele se torna a bola da vez.
A dor: como fizeram isso com nosso país? E o erro: fizeram, quem? Isso, o quê? Nosso, de nós, quem? Aqui está o problema.
Quem "fizeram" é só o PT ou, mais que ele, o PP ou, ainda mais, um sistema político que se acostumou a ser eficiente pela via da desonestidade? Porque há um subtexto em nossa sociedade que diz: resolva o problema, "não quero saber como".
Não queremos saber como funcionam as coisas, desde que elas funcionem. Vejam o que chamamos de "segurança pública". Ela depende muito da violência policial contra inocentes. Não queremos saber a que custo reina alguma paz em nossos bairros. O preço dessa paz é a violência contra três Ps: pobres, pretos e putas.
Ainda que insuficiente, a eficiência que o Estado consegue deve-se, em vários casos, ao "não quero nem saber". Só que agora está emergindo o iceberg inteiro. Nós nos acostumamos ao "por fora bela viola, por dentro pão bolorento"; fingíamos que não havia bolor, mas ele está aparecendo. Tanto no Metrô de São Paulo como na Petrobras.
O avanço da democracia desnuda esse preço, esse bolor. Há uma reação tola: não quero saber do preço. Um dos modos dessa reação é carimbar um culpado bem afastado de nós. O PT cumpre hoje esse papel de demônio, que já foi de Getúlio Vargas. Assim se afasta de nós esse cale-se. Somos poupados.
As manifestações do dia 15 de março, legítimas na medida em que "tem razão quem se revolta" (mas alguma razão, não toda), caíram no engodo de construir um Outro demoníaco, aquele que acabou com o que era doce. O passado fica como uma idade, senão de ouro, pelo menos de prata.
Um teste simples: se alguém contesta os males atuais em nome de um passado que teria sido melhor, essa pessoa está pelo menos mal informada. Nossa história tem podres que mal começamos a enxergar.
O presente pode parecer horrível, mas só porque expôs a chaga purulenta. O bom que era doce se assentava em mentiras. Aumentaram as mentiras? Ou, na sociedade da informação, é mais fácil descobri-las do que antes? O mensalão do DEM teria sido exposto, não fosse uma microcâmera escondida? Delações premiadas funcionariam se os cúmplices mantivessem a lealdade dos mafiosos, que morrem, mas não falam?
Sem uma força-tarefa como a da Operação Lava Jato, teriam sido pegos? Quem deve teme. Por que tantos querem que a investigação foque só o PT? A apuração não deve ser ampla, geral e irrestrita?
Tratar o sintoma não é a solução. Meias medidas são meros paliativos. É preciso chegar às causas. Venceremos a corrupção quando ela parar de servir de pretexto político de um lado contra o outro e for mesmo repudiada pela maior parte da população. Não é o caso – ainda.

"O Grupo de Comunicação RBS é suspeito de pagar R$ 15.000.000,00 para obter redução de débito fiscal de cerca de R$ 150.000.000,00. No total, as investigações se concentram sobre débitos do RBS que somam R$ 672.000.000,00, segundo investigadores." No jornal O Estado de São Paulo. "O Grupo RBS é pioneiro no modelo regional de televisão no Brasil e é também a mais antiga afiliada da Rede Globo, por meio das emissoras da RBS TV no RS e em SC." Copiado da internet. Veja matérias nos links abaixo.


http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,bancos-e-grandes-empresas-sao-alvo-da-investigacao-em-tribunal-da-receita,1659522

http://aposentadoinvocado1.blogspot.com.br/2015/03/historia-da-rbs-tv-copiado-da-internet.html

Provas já estão com Janot. Aécio pode ser investigado. Autor: Miguel do Rosário. No Blog TIJOLAÇO.

Provas já estão com Janot. Aécio pode ser investigado

28 de março de 2015 | 11:44 Autor: Miguel do Rosário
Cerimônia de entrega da Medalha da Inconfidência

Estranho esse nosso país.
Temos um setor da classe política que é blindado até o desespero pela mídia e pelo próprio ministério público.
Não queremos que o ministério público ou a justiça façam nenhuma injustiça contra tucanos.
Não queremos que haja prisões arbitrárias, mantidas por tempo indeterminado, na tentativa de obter delações premiadas, como faz o juiz Sergio Moro.
Não queremos “vingança”.
Não queremos que nenhum tucano seja condenado por “domínio do fato”, sem provas, como fizeram com Dirceu.
Não queremos que a justiça pratique sadismo contra tucanos cardiopatas, como fez Joaquim Barbosa contra José Genoíno, opondo-se até o fim que ele pudesse exercer o direito à prisão domiciliar e se tratar em casa, junto à sua família.
Queremos somente que os tucanos sejam investigados!
Só isso já seria uma tremenda vitória política da democracia!
Condenar tucano corrupto é uma esperança mais distante.
Por enquanto, nos contentaremos, humildemente, que o Procurador Geral da República abra um inquérito contra Aécio Neves, já que o fez, com quantidade muito menor de provas, contra vários outros senadores.
Ou Aécio é um senador acima da lei e acima de seus colegas?
Segundo texto publicado hoje no Viomundo, o impossível poderá virar realidade. Poderemos ter, em breve, um inquérito aberto contra Aécio Neves pelo Procurador Geral da República.
*
Rogério Correia: “Dr. Janot continuará protegendo Aécio e demais tucanos como fizeram Gurgel e Joaquim Barbosa?
publicado em 28 de março de 2015 às 10:58
por Conceição Lemes, no Viomundo.
Nessa sexta-feira 27, o site do mandato do deputado estadual Rogério Correia (PT-MG) publicou o artigo com o seguinte título: Ao que tudo indica Aécio deve ser mesmo investigado por Furnas.
Há pouco perguntei-lhe se ele acha mesmo que senador Aécio Neves (PSDB-MG) vai ser investigado pela Lista de Furnas.
“O dr. Rodrigo Janot não tem outra saída, diante de tantas provas que nós entregamos à Procuradoria-Geral da República”, afirma. “Além disso, agora há também o pedido do Sindicato dos Advogados de São Paulo. Ou seja, o cerco ao Aécio começou a se fechar.”
“Se o dr. Janot não investigar o Aécio vai ser um ponto fora da curva do rigor que aparentemente ele tenta imprimir à PGR”, acrescenta.
“Dr. Janot continuará protegendo Aécio e demais tucanos como fizeram o seu antecessor PGR, Roberto Gurgel, e o ex-ministro Joaquim Barbosa, do STF, ou investigará quem tem de ser investigado?”, desafia Rogério Correia. “Com menos indícios outros políticos, como os senadores Anastasia [Antonio Anastasia, PSDB] e Lindeberg [Lindberg Farias, PT], estão sendo investigados na Lava-Jato.”

Do Blog O TERROR DO NORDESTE





"É sexta feira , deu na veja rsrs
Segundo um dos delatores do Lava-Jato, em depoimento secreto que só a Veja teve acesso, o co-piloto que teria derrubado o avião tem um primo casado com uma vizinha de uma amiga de uma filiada do PT e Lula e Dilma sabem dessa relação."

Foto de Impítiman é Meuzovo.

A verdade. Dizem por aí que o ciclo do PT acabou. Será? E se for verdade quem virá? Querem o impeachment da presidenta Dilma e agora todo mês tem manifestação democrática para retirá-la do cargo de Chefe do Poder Executivo. As eleições constitucionais deram à vitória a presidenta, mas parece que não valeu. Será que é verdade que agora teremos um novo tipo de eleição e vence quem faz mais manifestação democrática e é mais apoiado pela mídia brasileira? Será? Sequestraram a camisa verde-amarela só pode usá-la quem for contra o PT, Lula e Dilma. Informo que sou brasileiro votei em todos eles e uso a camisa verde-amarela.


História da RBS TV. Copiado da internet.

História da RBS TV


RBS TV 50 anos (Foto: Divulgação/ RBS TV)
O Grupo RBS é pioneiro no modelo regional de televisão no Brasil e é também a mais antiga afiliada da Rede Globo, por meio das emissoras da RBS TV no RS e em SC. A maior rede regional de TV do País conta com 18 emissoras distribuídas no RS e em SC, com uma cobertura que atinge 790 municípios e mais de 17 milhões de telespectadores nos dois estados. Possui 85% da grade de programação da Rede Globo e 15% voltada ao público local.
A sede principal da empresa fica em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, e suas emissoras e retransmissoras cobrem a totalidade dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Possui duas cabeças-de-rede - uma em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e outra em Florianópolis, em Santa Catarina - e juntas com outras afiliadas (onze gaúchas: Bagé, Caxias do Sul, Cruz Alta, Erechim, Passo Fundo, Pelotas, Rio Grande, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Santa Rosa e Uruguaiana; e seis catarinenses: Blumenau, Chapecó, Criciúma, Joaçaba/Lages e Joinville) operam duas redes distintas.
RBS TV 50 anos (Foto: Roberta Lemes/ RBS TV)Lançamento da campanha de comemoração aos 50 anos no Jornal do Almoço (Foto: Roberta Lemes)
Sobre a RBS TV
A RBS TV foi fundada no dia 29 de dezembro de 1962, quando entrou no ar a TV Gaúcha, canal 12 de Porto Alegre. Em 1967, a TV Gaúcha afiliou-se à Rede Globo e a partir de então, a maior parte de sua programação passou a ser gerada pela emissora carioca.
No ano de 1969, entraram no ar as primeiras emissoras de televisão do Grupo RBS no interior do Rio Grande do Sul: a TV Imembuí, de Santa Maria, e a TV Caxias, canal 8 de Caxias do Sul. A TV Tuiuti de Pelotas entrou no ar em 1972, mesmo ano em que estreou o principal programa da emissora, o Jornal do Almoço.
A denominação RBS TV (Rede Brasil Sul de Televisão) passou a ser usada em 1979, quando entrou no ar a primeira emissora do grupo em Santa Catarina: a TV Catarinense, que mais tarde passou a se chamar RBS TV Florianópolis.
A última emissora a compor a RBS foi a RBS TV Centro-Oeste, com concessão em Joaçaba e sede em Lages, Santa Catarina, que passou a transmitir sua programação em 1º de junho de 2005. Ao todo, são 18 emissoras que compõem a RBS TV nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.
No dia 18 de outubro de 2008, a emissora ganha nova marca desenhada por Hans Donner para a chegada da TV digital. Estreiam também novas vinhetas para os telejornais Bom Dia Rio Grande, Bom Dia Santa Catarina, Jornal do Almoço e RBS Notícias.
A RBS TV Porto Alegre abriu seu sinal de TV digital no dia 4 de novembro de 2008. O ministro das comunicações Hélio Costa esteve em Porto Alegre nesta data para assinar as autorizações e participar da cerimônia pública. No dia seguinte, a RBS TV levou ao ar seu primeiro programa produzido em alta definição, o Jornal do Almoço, que foi apresentado ao vivo do Mercado Público da capital. Em Santa Catarina, a televisão digital foi inaugurada no dia 5 de fevereiro de 2009, pelo ministro da comunicação Hélio Costa, o governador Luiz Henrique e a direção da emissora em Florianópolis. Em 2014, a RBS TV conclui sua expansão digital, tendo suas 18 emissoras operando com esta tecnologia, atingindo 80% da população dos dois estados.
Linha do tempo
A (Foto: A)
1957 - Maurício Sirotsky Sobrinho associa-se à Rádio Gaúcha. É o início do Grupo RBS


A (Foto: A)
1962 - Em dezembro de 1962, Jayme Sirotsky associa-se ao irmão Maurício Sirotsky Sobrinho e junto com outros sócios inauguram a TV Gaúcha


a (Foto: a)
1963 - Fernando Ernesto Corrêa inicia sua atuação no Grupo RBS



a (Foto: a)
1967 - TV Gaúcha afilia-se à Rede Globo de Televisão



a (Foto: a)
1969 - Inaugurada a TV Caxias - a primeira Rede Regional de Televisão do país



1972 - Lançamento do programa Jornal do Almoço
1975 - Lançamento do programa Campo e Lavoura
a (Foto: a)
1979 - A RBS chega a Santa Catarina, com a inauguração da TV Catarinense



1979 - Passa a ser usada a denominação RBS TV (Rede Brasil Sul de Televisão)
1982 - Lançamento do programa Galpão Crioulo
1983 - Lançamento do programa RBS Notícias
1983 - Lançamento do programa Bom Dia Rio Grande
  •  
a (Foto: a)
1986 - Morte do fundador




a (Foto: a)
1986 - Jayme Sirotsky assume a presidência da empresa


a (Foto: a)
1991 - Nelson Sirotsky assume a presidência da empresa




1997 - Lançamento do programa Teledomingo
1999 - Lançamento do programa Curtas Gaúchos
1999 - Lançamento do programa Patrola
2000 - Lançamento do programa Lance Final
2002 - Lançamento do programa Vida e Saúde
2003 - Lançamento do programa Anonymus Gourmet
2006 - Lançamento do programa RBS Esporte
a (Foto: a)
2008 - Lançamento do sinal digital da RBS TV



Eduardo Sirotsky Melzer recebe crachá de Maurício Sirotsky Sobrinho, de Nelson Sirotsky (Foto: Franco Rodrigues)
2012 - Eduardo Sirotsky Melzer assume como presidente executivo do Grupo RBS.




2012 - Comemoração dos 50 anos da RBS TV