sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Dilma dispara e já está com 60% dos votos válidos.

Aos que pensam em impeachment da presidenta Dilma baseado em ações combinadas pela mídia familiar informo que o povo brasileiro estará na frente dessa batalha para defendê-la desses ataques antidemocráticos. Não ousem tocar na presidenta do nosso país nossa resposta será precisa e forte.



Não transforme o país num 'volume morto', vote na presidenta Dilma Rousseff 13 e tenha água em casa.

Descobri o motivo de Aécio Neves ter esse discurso oco e sem sentido que ele vai salvar o Brasil, esse país sofredor e parado no tempo, é que ele mora nos Estados Unidos do Brasil e nós na República Federativa do Brasil.


Como sou ignorante e mal informado gostaria que FHC me explicasse esse texto da repórter Eliane Cantanhêde no jornal Folha de São Paulo. Pergunto: é uma análise sobre as eleições presidenciais ou torcida a favor de Aécio Neves?

Eliane Cantanhêde


Onda


BRASÍLIA - A eleição deu todas as voltas possíveis, mas chega aos últimos dias como começou lá atrás: com o favoritismo da candidata à reeleição, Dilma Rousseff.
O trator Dilma passou por cima de Marina Silva no primeiro turno e está atropelando Aécio Neves no momento decisivo do segundo. Além disso, ela e Lula atropelaram também vários limites. Atacaram a pessoa Aécio, o governador Aécio, o partido de Aécio. Nem sempre com verdades.
Funciona assim: o marqueteiro João Santana consulta os grupos das pesquisas qualitativas para construir uma Dilma e um governo Dilma melhores do que são na realidade e para desconstruir o adversário, ou adversária, criando um mostrengo do que eles são na realidade.
A partir daí, vem a ordem unida: Dilma fala em entrevistas, Lula berra para a militância, a propaganda gratuita massifica, as redes sociais deturpam e panfletos anônimos trucidam. Bom sujeito, político hábil, jeitoso com as mulheres e governador de Minas com 92% de aprovação, Aécio chega ao fim da eleição como um "playboy" agressivo com as mulheres e um péssimo governador. É a força do marketing negativo.
Não há, porém, que se ter pena da oposição. Aécio sabia o adversário que iria enfrentar, mas ficou na retranca, passando de bom moço, fazendo uma campanha "limpa". Depois de duas eleições, o eleitorado conhece bem os avanços sociais da era petista, mas não ouviu falar da personalidade da presidente e metade não entendeu a gravidade do buraco na economia e ainda acredita em qualquer coisa que Lula diz.
A diferença é pequena, mas o PT chegou à última semana armado até os dentes, enquanto Aécio chegou sem munição. Dilma cresceu entre os jovens e entre as mulheres, disparou no Nordeste, subiu no Sudeste, conquistou o que havia a ser conquistado: a nova classe média.
O debate desta sexta (24) na Globo? É importantíssimo, mas talvez não suficiente para furar a onda.

Atentado de Veja a leva ao trending topic global. Tentativa criminosa de interferir nas eleições presidenciais, com a denúncia sem provas antecipada para a noite de ontem, produziu efeito inverso ao desejado pela família Civita; em vez de gerar uma onda de indignação pelo País, produziu centenas de paródias que se espalham pela internet; numa das "capas", Cebolinha confessa ter recebido dinheiro do PT para roubar o coelhinho da Mônica; hashtag #DesesperodaVeja chegou a figurar entre os "trending topic" globais, ou seja, os assuntos mais comentados no Twitter no mundo; atentado democrático cometido por Veja arrasta o que restava de sua reputação para a lama e não mexeu nos resultados eleitorais; ao contrário. No Brasil 247.

:



Tentativa criminosa de interferir nas eleições presidenciais, com a denúncia sem provas antecipada para a noite de ontem, produziu efeito inverso ao desejado pela família Civita; em vez de gerar uma onda de indignação pelo País, produziu centenas de paródias que se espalham pela internet; numa das "capas", Cebolinha confessa ter recebido dinheiro do PT para roubar o coelhinho da Mônica; hashtag #DesesperodaVeja chegou a figurar entre os "trending topic" globais, ou seja, os assuntos mais comentados no Twitter no mundo; atentado democrático cometido por Veja arrasta o que restava de sua reputação para a lama e não mexeu nos resultados eleitorais; ao contrário.

Brasil 247 - A revista Veja, controlada pela família Civita, bem que tentou se sobrepor à vontade popular com uma das mais abjetas peças jornalísticas já produzidas na história do jornalismo brasileiro. A 72 horas de uma eleição presidencial, como se sabe, publicou uma denúncia contra a presidente Dilma Rousseff que a própria revista admitiu não conter provas (leia mais aqui).
Veja pretendia provocar uma onda de indignação no País e uma peça que se espalhasse pelas redes sociais como um vírus. A ideia era "viralizar" – para utilizar uma palavra em voga no marketing político.
No entanto, deu-se o efeito inverso. Internautas produziram centenas de paródias sobre a revista, que podem ser encontradas aqui. Numa delas, por exemplo, Cebolinha, personagem de Maurício de Souza, afirma que recebeu dinheiro do PT para roubar o coelhinho da Mônica.
Veja conseguiu ainda entrar para o rol dos assuntos mais comentados no mundo. Mas não como esperava. Entrou para os "trending topics" do Twitter com a hashtag #DesesperodaVeja.
Criminosa, antidemocrática e leviana, Veja virou piada. Arrastou para a lama o que restava de sua credibilidade. E não conseguiu nem sequer ser repercutida por veículos da chamada "grande imprensa", como os jornais Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo e Globo, que trataram a "bala de prata" da Marginal Pinheiros com o devido distanciamento.
Até porque Veja cometeu mais do que um simples crime. Atentou contra a democracia brasileira.
PS: Veja não conseguiu alterar os resultados eleitorais. Os trackings das campanhas confirmam os resultados das pesquisas Ibope e Datafolha.

Datafolha: Dilma abre 18 pontos de vantagem sobre Aécio no Rio. No Brasil 247.

Datafolha: Dilma abre 18 pontos de vantagem sobre Aécio no Rio

: A petista tem agora 59% das intenções de voto no Estado, enquanto o tucano aparece com 41%

Copiado do Blog Desabafo Brasil. Jean Wyllys: Bateu o desespero nos fundamentalistas



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Por Jean Wyllys - Facebook:

Bateu o desespero nos fundamentalistas! Depois de terem apostado todas as suas fichas na campanha do Aécio (inclusive alguns que, na eleição anterior, apoiaram a Dilma), as pesquisas estão frustrando suas esperanças de eleger o governo dos seus sonhos, mistura de neoliberalismo radical, conservadorismo extremo e macartismo vintage. E, desesperados, querem um culpado...
Numa última tentativa de difamar a Dilma entre os eleitores cristãos, os fundamentalistas tentam desconstruir todos os projetos e pautas voltadas para a garantia de direitos das minorias e grupos sociais difamados (negros, mulheres, moradores de periferia, LGBTs, adeptos de religiões de matriz africana, pessoas com deficiências ou com doenças raras, etc.), distorcendo o conteúdo de propostas legislativas apresentadas por mim e que formam parte dos compromissos programáticos que a presidenta Dilma concordou comigo em assumir.
Porque, diferentemente do Aécio, que quer e aceita o apoio deles, mas tem vergonha de tirar foto (como admitiu numa entrevista, frustrado, o deputado fascista viúva da ditadura), a presidenta recebeu meu apoio com orgulho e me convidou a participar da sua campanha -- e bombou!
Numa matéria tosca que está sendo compartilhada pelos caluniadores de sempre, apresentam esses projetos como se fossem prejudiciais ou contrários aos cristãos, falando do meu apoio à Dilma como uma espécie de ameaça contra eles.
Ao mesmo tempo, o pastor MAL-afaia adverte aos evangélicos, através do Twitter, que num dos últimos comícios da presidenta estávamos presentes "o deputado Gay" (com maiúscula) Jean Wyllys "e uma mãe de santo". Homofobia, racismo e preconceito religioso, tudo junto!
Desculpa aí, MAL! Eu estou apoiando a campanha da Dilma e ela assumiu compromissos programáticos, sim! Não para mim, mas para o bem do povo. E tem mais: ela vai vencer!
Aceite que doi menos...
Página: https://www.facebook.com/jean.wyllys
#ComunicadorescomDilma #PeriferiacomDilma #Dilma13

Meu sexto sentido não vê Aécio Neves presidente da República Federativa do Brasil, mas vê uma festa linda no domingo à noite com a reeleição da presidenta Dilma Rousseff e uma mais bonita ainda no dia 1º de janeiro de 2015 na sua posse.

PT vai a TSE, MPE e STF contra crime de Veja. No Brasil 247.

PT vai a TSE, MPE e STF contra crime de Veja

:


Presidente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, reage à tentativa escancarada da Editora Abril de interferir no processo eleitoral com uma denúncia de Veja que a própria revista admite não conter provas; legenda pede no TSE direito de resposta no site da revista, no MPE, apuração de suposto abuso da publicação para prejudicar o pleito e no STF, entrou com representação por difamação contra o PT; outra ação pede ainda providências à Procuradoria-Geral da República sobre o vazamento do depoimento do doleiro Alberto Youssef; atentado à democracia fere a dignidade do jornalismo brasileiro e não ficará sem resposta.

Brasil 247 – O presidente do PT, Rui Falcão, afirmou que o partido entrou com representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no Ministério Público Eleitoral (MPE) e no Supremo Tribunal Federal contra a revista Veja, depois da edição em que a publicação acusa a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula de terem conhecimento do esquema de corrupção investigado na Petrobras.
"A capa da Veja mais parece uma peça eleitoral, uma matéria com um delegado fantasma e que depois é desmentida pelo próprio advogado (de Youssef). Nós não podemos tolerar que continue a ter tanta tentativa de interferência no processo eleitoral através de matérias caluniosas, mentirosas e totalmente sem fundamentos e sem fontes. Nós pedimos ao TSE direito de resposta, por se tratar de matéria inverídica, além de difamatória e caluniosa", disse Rui Falcão.
O dirigente petista disse, no entanto, que a representação não pede que a revista seja tirada de circulação. No TSE, o partido pediu direito de resposta no site da Veja e ainda que a revista seja impedida de veicular propaganda na TV, no rádio ou em outdoors, pois isso configuraria propaganda eleitoral negativa, na véspera do segundo da eleição.
O pedido no MPE é para apurar suposto abuso do veículo de comunicação com o objetivo de prejudicar a candidatura da presidente Dilma Rousseff e desequilibrar a disputa eleitoral. A legenda também abriu representação no STF por difamação contra o PT e ainda pediu à Procuradoria-Geral da República providências quanto ao vazamento do depoimento do doleiro Alberto Youssef, que teria feito as denúncias.

Papel da mídia na política é alvo de críticas após atentados contra democracia. No jornal Correio do Brasil.

Papel da mídia na política é alvo de críticas após atentados contra democracia

24/10/2014 13:41
Por Redação - do Rio de Janeiro e São Paulo

A manifestação que "lacrou" a Rede Globo transcorreu pacificamente
Há mais de um ano, manifestantes já protestavam contra a ação da mídia conservadora e em defesa da democracia brasileira
No amanhecer desta segunda-feira, com o resultado das urnas já consolidado, a sociedade brasileira estará diante da realidade construída no processo democrático, com o Congresso mais conservador dos últimos 40 anos, fruto da sementeira de ódio que apodreceu na mídia conservadora. Ainda na tentativa de curar os ferimentos causados por uma das campanhas mais selvagens dos últimos embates eleitorais, caberá à sociedade civil questionar – de uma vez por todas – o papel dos veículos de comunicação ligados ao capital internacional, no horizonte político brasileiro e, segundo jornalistas experimentados reproduzem em suas colunas, nesta sexta-feira, encontrar uma forma de reparar os danos causados à democracia pela série de atentados cometidos.
O último deles, com autoria reivindicada pela revista semanal de ultradireita Veja, para o ex-diretor da publicação Paulo Moreira Leite, em seu blog, “expressa uma tradição vergonhosa pela finalidade política, antidemocrática pela substância”. Trata-se de um texto sobre supostas declarações do doleiro Alberto Yousseff, negadas por seus advogados, à revista situada na marginal do Tietê, no qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a atual presidenta da República, Dilma Rousseff, candidata à reeleição, teriam ciência da roubalheira cometida por uma quadrilha alojada na estatal Petrobras.
“Numa tradição que confirma a hipocrisia das conversas de palanque sobre alternância de poder, os escândalos eleitorais costumam ocorrer no país sempre que uma candidatura identificada com os interesses da maioria dos brasileiros ameaça ganhar uma eleição. Não tivemos ‘balas de prata’ – nome que procura dar ares românticos a manobras que são apenas sujas e vergonhosas – para impedir as duas eleições de Fernando Henrique Cardoso nem a vitória de Fernando Collor. Mas tivemos tentativas de golpes midiáticos na denúncia de uma ex-namorada de Lula em 1989; no terror financeiro contra Lula em 2002; na divulgação ilegal de imagens de reais e dólares clandestinos dos aloprados; e numa denúncia na véspera da votação, em 2010, para tentar comprometer Dilma Rousseff com dossiês sobre adversários do governo”, lembra o jornalista.
Neste ano, com a candidata Dilma Rousseff à frente nas pesquisas eleitorais, a revista de tendências fascistas chega às bancas, antecipadamente, com uma acusação de última hora contra a presidenta e contra Lula, que comentou com o jornalista:
Veja é a maior fábrica de mentiras do mundo. Assim como a Disney produz diversão para as crianças, a Veja produz mentiras. Os brinquedos da Disney querem produzir sonhos. As mentiras da Veja querem produzir ódio.
“Para você ter uma ideia do nível da barbaridade, basta saber que, logo no início, admite-se que só muito mais tarde, através de uma investigação completa, que ninguém sabe quando irá ocorrer, se irá ocorrer, nem quando irá terminar, ‘se poderá ter certeza jurídica de que as pessoas acusadas são culpadas’. Não é só. Também se admite que Yousseff “não apresentou provas do que disse”, segue Moreira Leite. “Não se ouviu o outro lado com a atenção devida, nem se considerou os argumentos contrários com o cuidado indispensável numa investigação isenta. O que se quer é corromper a eleição, através de um escândalo sob encomenda, uma farsa óbvia e mal ensaiada. Insinua o que não pode dizer, fala o que não pode demonstrar, afirma o que não conferiu nem pode comprovar”.
Ainda segundo o autor, apenas “o mais descarado interesse pelos serviços políticos-eleitorais que poderia prestar na campanha presidencial permitiu a recuperação de um personagem como Alberto Yousseff. Recapitulando: há uma década ele traiu um acordo de delação premiada numa investigação sobre crimes financeiros, e jamais poderia ter sido levado a sério em qualquer repartição policial, muito menos numa redação de jornalistas, antes que cada uma de suas frases, cada parágrafo, cada palavra, fosse submetida a um trabalho demorado de investigação. Até lá, deveria ser colocada sob suspeita. Mas não. Um depoimento feito há 48 horas, contestado pelo advogado, por um cidadão que não é conhecido por falar a verdade, virou capa de revista. Que piada”.
“Essas distorções oportunistas cobram um preço alto para a soberania popular. Não há almoço grátis — também na política (…). A imprensa erra e fabrica erros sem risco algum, o que só estimula uma postura arrogância e desprezo pelos direitos do eleitor. Imagine você que hoje, quando a própria revista admite que publicou uma denúncia que não pode provar, é possível encontrar colunistas que já falam em impeachment de Dilma. Está na cara que eles já perderam a esperança de eleger Aécio”, acrescentou.
Este comportamento da mídia, segundo o jornalista, “prepara o caminho de sua destruição na forma que existe hoje. Como se não bastassem os números vergonhosos do Manchetômetro, que demonstram uma postura parcial e tendenciosa, o golpe da semana só fará aumentar o número de cidadãos e de instituições convencidos de que a sobrevivência da democracia brasileira depende, entre outras coisas, que se cumpra a legislação que regula o funcionamento da mídia. Está claro que este será um debate urgente a partir de 2015″.
Pilantra
O coordenador nacional do Centro de Estudos da Mídia Barão de Itararé, jornalista Altamiro Borges, também lembra, em seu blog, que “Alberto Youssef, que está preso desde março – há mais de seis meses, portanto – chega a quatro dias da eleição, para o seu milésimo interrogatório na Polícia Federal – que parece, aliás, uma instituição dirigida pela Editora Abril – e, sem mais nem porque, faz-se-lhe uma pergunta extremamente precisa: qual era o ‘nível de comprometimento de autoridades no esquema de corrupção na Petrobras’. E o doleiro, ‘um bandido profissional’ como o define o juiz Sérgio Moro – diz, sem mais circunstâncias: ‘O Planalto sabia de tudo’.
– Quem no Planalto? – pergunta o delegado e ele:
– Lula e Dilma!
“Que primor! Que pérola de jornalismo, que espetáculo de responsabilidade! Nem o advogado do doleiro, íntimo dos tucanos, confirma a história e diz que ninguém de sua equipe ouviu Youssef dizer isso. O curioso é que Fábio Barbosa, presidente da empresa que edita a Veja esteve sentado na cadeira de Conselheiro de Administração da Petrobrás durante quase todo o tempo (2003 e 2011) em que Paulo Roberto Costa foi diretor e apresentou-lhe contas, e não sabia de nada. Um pilantra de quinta categoria, várias vezes condenado – e agora, ao que parece, destinado a ser absolvido de tudo, inclusive da lavagem de dinheiro de drogas, como foi, esta semana – diz, está dito”, acrescentou Braga.
“E o nosso ministro Dias Tóffoli, pobre alma simplória, vai promovendo reuniões para os candidatos não se atacarem na campanha… E se, por acaso, o TSE condena a Veja a dar direito de resposta a quem a acusa, acorre, pressuroso, o Ministro Gilmar Mendes para derrubar a decisão e dizer: não, não, viva a liberdade de imprensa… Vivemos num país onde a mídia pratica, impune, banditismo, não jornalismo. E isso, infelizmente, ao contrário da brincadeira com a capa da Veja, não é piada”, pontua.
Ódio da direita
Com as últimas pesquisas Datafolha e Ibope mostrando o avanço de Dilma Rousseff na reta final, o desespero ataca os simpatizantes da candidatura de direita. Dilma abriu uma vantagem entre 6 e 8 pontos: 54% x 46% (Ibope) ou 53% x 47% (Datafolha). Para o jornalista Rodrigo Vianna, em seu blog, “a perspectiva da derrota deixa o aparato conservador ainda mais ouriçado. O ódio não brotou da terra. Foi insuflado por colunistas insanos, comentaristas gagos, ex-cineastas e ex-roqueiros apopléticos, blogueiros dementes, revistas da marginal e marginais de revista. Todos eles sob o comando da Globo“.
“Pelas redes sociais, surgem (dos núcleos duros do tucanato) propostas de impeachment de Dilma. Nessa reta final, os conservadores (apopléticos com o avanço de Dilma) promoveram um baile de bruxas na avenida Faria Lima, esparramando ódio pelas sarjetas do luxuoso shopping Iguatemi em São Paulo”, acrescenta.
Ainda segundo Vianna, “embalado nessa onda, em São Paulo e no sul surge um lamentável discurso contra ‘pobres’, ‘favelados’, ‘nordestinos’ – toda essa ‘raça’ que ‘gosta de votar no PT’. A soma do ódio com a arrogância elitista desemboca agora num ensaio golpista. A oposição brasileira prepara um discurso muito parecido ao discurso da oposição venezuelana: ‘acabou’, ‘fora’, ‘não aguentamos mais’. Não é um discurso de quem pretenda conviver dentro da ordem democrática. Mas de quem flerta com o golpe e a desestabilização. Essa elite perversa tentou envergonhar o Brasil na Copa. Perdeu! Tentou incendiar o Brasil nas eleições. Vai perder!”, prevê.
Segundo o jornalista, porém, “é preciso estabelecer pontes e diálogo. Nem todo eleitor de Aécio é preconceituoso. Ouso dizer que a maioria não é. Mas o núcleo duro do tucanato e da oposição aposta no ódio. (…) A onda conservadora será derrotada nas urnas. Precisamos agora derrotá-la também na sociedade”, conclui.

Dilma fala sobre o terrorismo eleitoral da Revista Veja

Presidenta Dilma vá ao debate da TV Globo tranquila a senhora já está reeleita. Os anjos a estão protegendo da mídia familiar, mas cabe a senhora regular a imprensa brasileira como todos os outros países regularam. A Democracia garante o direito de liberdade de expressão, mas quem acusa deve ter provas e a mídia familiar resolveu que Democracia é poder tudo é estar acima da lei. Ninguém está acima da lei. Ninguém está acima da Constituição Brasileira.


Até onde essa gente da mídia familiar pretende chegar para vencer as eleições presidenciais? O que faria se fosse governo? Como seriam administrados a Receita Federal e a Polícia Federal? Como seria o relacionamento com um governo Aécio Neves já que tanto lutam para elegê-lo? A “Democracia Brasileira” seria mantida ou haveria outra forma de governo sendo preparada por essas forças aliadas? O povo brasileiro voltaria ao abandono que marcou séculos de governos da ‘elite’? Teríamos a volta do desemprego, dos salários baixos e congelados, da entrega do patrimônio brasileiro como a volta da Petrobrax e o fim dos recursos do Pré-Sal para educação e saúde? Seria tudo escondido como sempre foi pela mídia familiar? Seria trágico voltar no tempo e destruir o nosso futuro de sucesso para sempre. Vote Dilma Rousseff e evite toda essa tragédia. O candidato da oposição não tem nada para mostrar e sem a mídia familiar ao seu lado não chegaria ao segundo turno. É só denúncia vazia ao lado da mídia familiar tentando criar uma cortina de fumaça na falta de propostas para o povo brasileiro.



Vale lembrar que um dos responsáveis pela comunicação da campanha de Aécio Neves é o jornalista Otávio Cabral, editor-executivo da Veja.
Por Mariana Zoccoli, da Agência PT de Notícias

Gilmar Mendes usa plenário do TSE para atacar o PT.

 Por Agência PT
Ministro do STF esbanja grosseria, acusa Lula de “inaugurar buracos” e insinua que o ex-presidente estaria alcoolizado em comício.


Gilmar Mendes, no plenário do TSE: palco para grosserias e proselitismo político contra o PT

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes não esconde sua posição político-partidária quando o assunto é o Partido dos Trabalhadores. Somente no último trimestre, imbuído do papel de ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), protagonizou diversas cenas lamentáveis ao destilar ódio explícito contra o PT.
Na noite de terça-feira (21), no decorrer do julgamento de ação contra a coligação da candidata Dilma Rousseff (PT), Gilmar Mendes insinuou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estaria alcoolizado ao falar em comício no último sábado (18), em Belo Horizonte (MG).
Em tom debochado, como se estivesse numa mesa de bar, Mendes fez a insinuação a um colega, o ministro João Otávio de Noronha. Ato contínuo, Noronha anunciou, aos risos, o comentário do ministro do STF. “O ministro Gilmar disse aqui se ninguém perguntou se o candidato, o candidato não, mas quem afirma (Lula), passou pelo teste do bafômetro antes de fazer tal declaração”, divertiu-se.
Ainda durante o voto do ministro Noronha, Gilmar Mendes repetiu o comentário, agora para todo o plenário ouvir. “E nem passou pelo bafômetro antes de falar isso”, declarou.
A declaração tentava explicar o motivo pelo qual, segundo ele, o ex-presidente teria feito críticas ao candidato Aécio Neves (PSDB). Na ocasião, Lula, baseado no comportamento do candidato tucano em relação a Dilma, o classificou de “filhinho de papai”.
Logo depois, ao votar, Mendes também debochou da luta histórica travada pela presidenta Dilma contra a ditadura. “É bom que se diga também que os grupos que se organizaram pela luta armada no Brasil não eram lutadores pela democracia”, afirmou. Segundo o ministro, a verdadeira luta pela democracia foi feita por “gente que foi para o Congresso, não quem pegou em armas”.
Essa não foi a primeira fala polêmica de Mendes na função de ministro da Corte Eleitoral. Em 11 de setembro deste ano, durante julgamento do recurso do ex-governador e ex-candidato José Roberto Arruda (PR), impugnado pela Lei da Ficha Limpa, o ministro fez ataques velados à militância do PT, à qual chamou de “gente desqualificada” e “energúmenos”, acusada, também, de tramar contra ele.
Visivelmente irritado com a suspeita de ter pedido vista do processo para beneficiar Arruda e retribuir um favor que o ex-governador teria lhe feito, Gilmar Mendes atacou: “Eles operam com essa medida. E se perdem a eleição voltam ao nada, de onde não deveriam ter saído!”, disse, quase aos gritos.
“Essa gente que vem da militância de sindicatos ou das ruas e que trazem essas práticas para secretarias, ministérios, governos, que utiliza blogs, que falseia perfis na Wikipédia está atuando de maneira tão desassombrada. Veja vossa excelência, logo comigo”, resmungou.
Vale lembrar que Gilmar Mendes foi o único ministro a votar em favor de Arruda e contra a impugnação da candidatura do ex-governador do Distrito Federal, flagrado em um vídeo ao receber propina. Naquele dia, o ministro chegou a dizer que a decisão da Corte era “brincadeira de menino” e que esta agia como um “tribunal nazista”.
O ministro costuma dizer ainda que o ex-presidente Lula “inaugurava até buracos” durante a campanha de Dilma. A acusação foi dita durante julgamento no Supremo e repetida diversas vezes no TSE. “Na campanha passada, o presidente Lula inaugurou um modelo que, já cheguei a falar aqui outras vezes, inaugurava até buracos”, afirmou, no último dia 4 de agosto.
Liminar a favor da Veja – No mês passado, uma decisão monocrática do ministro Gilmar Medes derrubou o direito de resposta concedido ao PT contra a revista Veja. Por 7 votos a zero, os ministros do TSE entenderam que o veículo acusou o PT sem apresentar provas em reportagem publicada no dia 17 de setembro, de pagar pelo silêncio de delator de escândalo envolvendo a Petrobras.
“A liminar que anulou decisão favorável ao direito de resposta que o PT havia obtido para se defender de acusações torpes e sem provas é uma vergonha para as instituições do nosso país”, declarou, por meio de nota, o presidente do PT, Rui Falcão.
Por Flávia Umpierre, da Agência PT de Notícias.

Datafolha: Dilma avança em todas as classes sociais. No Brasil 247.

Datafolha: Dilma avança em todas as classes sociais

:
Em análise, Mauro Paulino, diretor-geral do instituto de pesquisa, afirma que, se no primeiro momento, o segmento intermediário da classe média foi o responsável por desequilibrar a disputa a favor da presidente, sua liderança atual reflete o crescimento das intenções de voto tanto nos estratos mais ricos quanto nos mais pobres; ao mesmo tempo, diz que participação do tucano Aécio Neves nas classes mais altas, de onde extrai a maior parte de seus votos válidos, caiu significativamente.


Brasil 247 – Diante da guinada da presidente Dilma Rousseff, que abriu nesta quinta-feira seis pontos de vantagem sobre o tucano Aécio Neves, Mauro Paulinho, diretor geral do Datafolha, e Alessandro Janoni, diretor de pesquisas, constatam que a candidata à reeleição avançou em todas as classes sociais.
“Se no primeiro momento, o segmento intermediário da classe média foi o responsável por desequilibrar a disputa a favor da presidente, sua liderança atual reflete o crescimento das intenções de voto tanto nos estratos mais ricos quanto nos mais pobres”, afirmam.
Já a participação do tucano Aécio Neves nas classes mais altas, de onde extrai a maior parte de seus votos válidos, caiu significativamente.
Na primeira pesquisa realizada após o primeiro turno, Aécio alcançava 74% entre os integrantes da classe alta e 67% entre os da média alta. Hoje, essas taxas correspondem a 64% e 58%, respectivamente.
Além disso, dizem que agora percebe-se que em comparação com o levantamento de duas semanas atrás, o tucano perdeu oito pontos no Rio e seis em São Paulo. Minas, nesse período, apesar de oscilações, ficou estável, dividida entre os dois (leia mais).

Advogado de doleiro: Veja mentiu sobre Dilma. No Brasil 247.

Advogado de doleiro: Veja mentiu sobre Dilma

: O advogado Antonio Figueiredo Basto, que comanda a defesa do doleiro Alberto Youssef, afirma que desconhece o depoimento de seu cliente que ancora a capa de Veja, publicada ontem, em edição extra; “Eu nunca ouvi nada que confirmasse isso (que Lula e Dilma sabiam do esquema de corrupção na Petrobras). Não conheço esse depoimento, não conheço o teor dele. Estou surpreso”, afirmou; "Estamos perplexos e desconhecemos o que está acontecendo"; tentativa de golpe contra a democracia é manobra da revista conduzida pelo jornalista Eurípedes Alcântara e pelo executivo Fábio Barbosa, que comanda a Abril, no lugar dos Civita; jornalismo brasileiro atinge seu momento mais torpe.


Brasil 247 - A tentativa de golpe da Editora Abril contra a democracia brasileira não durou um dia. Menos depois de 24 horas após circular com uma edição extra, acusando a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula de "saberem de tudo" sobre o esquema denunciado na Petrobras, o "depoimento" do doleiro Alberto Youssef foi desmentido por ninguém menos que seu próprio advogado, o criminalista Antonio Figueiredo Basto.
“Eu nunca ouvi nada que confirmasse isso (que Lula e Dilma sabiam do esquema de corrupção na Petrobras). Não conheço esse depoimento, não conheço o teor dele. Estou surpreso”, afirmou Basto. “Conversei com todos da minha equipe e nenhum fala isso. Estamos perplexos e desconhecemos o que está acontecendo. É preciso ter cuidado porque está havendo muita especulação”, alertou o advogado.
A edição de Veja foi antecipada para esta quinta-feira para tentar interferir na sucessão presidencial, sobrepondo-se à soberania popular. Ontem, pesquisas Ibope e Datafolha confirmaram a liderança da presidente Dilma Roussef nas pesquisas eleitorais (leia aqui).
Os responsáveis diretos pelo atentado à democracia cometido pela Editora Abril são o diretor de Redação de Veja, Eurípedes Alcântara, o executivo Fábio Barbosa, que conduz a gestão da empresa, além dos acionistas da família Civita. Conduziram o jornalismo brasileiro a seu momento mais irresponsável, mais vil e mais torpe.

Escândalo na Sabesp: vaza áudio em que diretores admitem estelionato eleitoral. Por Renato Rovai

Escândalo na Sabesp: vaza áudio em que diretores admitem estelionato eleitoral


Por Renato Rovai outubro 24, 2014 09:16
Escândalo na Sabesp: vaza áudio em que diretores admitem estelionato eleitoral

O blogue teve acesso a um áudio vazado de uma reunião da diretoria da Sabesp em que  a presidenta da empresa, Dilma Pena, admite que a população deveria ter sido comunicada da crise hídrica, para que economizasse água. Porém, segundo ela, seus “superiores”  não permitiram. Em outras palavras, o governador Geraldo Alckmin não foi honesto com a população para não prejudicar sua candidatura à reeleição.
“A gente tem que seguir orientação…A orientação não tem sido essa, mas é um erro. Tenho consciência absoluta e falo para pessoas com quem converso sobre esse tema, mesmo meus superiores, acho um erro essa administração da comunicação dos funcionários da Sabesp, que são responsáveis por manter o abastecimento, com os clientes”, afirmou Dilma Pena.
A presidenta da Sabesp, durante todo o áudio, faz questão de demonstrar que estaria em desacordo com o que os “superiores” estão fazendo. “A Sabesp tem estado muito pouco na mídia, acho que é um erro. Nós tínhamos que estar na mídia, com os superintendes locais, nas rádios comunitárias, Paulo [Massato] falando, eu falando, o Marcel falando, todos falando, com um tema repetido, um monopólio: ‘Cidadão, economize água’.”
Também participou da reunião o diretor metropolitano da Sabesp, Paulo Massato, que causou polêmica quando disse, no último dia 25 de maio, na Câmara Municipal de São Paulo, que ia “distribuir água de canequinha em São Paulo.
Massato é mais alarmista e prevê o pior, caso não chova. “Essa é uma agonia, uma preocupação. Alguém brincou aqui, mas é uma brincadeira séria. Vamos dar férias [inaudível]. Saiam de São Paulo, porque aqui não tem água, não vai ter água pra banho, pra limpeza da casa, quem puder compra garrafa, água mineral. Quem não puder, vai tomar banho na casa da mãe lá em Santos, Ubatuba, Águas de São Pedro, sei lá, aqui não vai ter.”
Com as declarações de Dilma Pena, cai por terra todo o discurso do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que sempre afirmou não haver racionamento e nem motivo para tanto. Fica absolutamente claro que o tucano não foi honesto com a população para não se prejudicar nas urnas, alienando os paulistas que lhe confiaram o voto da tragédia que provavelmente vão  viver.
Segue o áudio com a fala de Dilma Pena:
Áudio de Paulo Massato:
http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/2014/10/24/por-ter-que-seguir-orientacao-sabesp-nao-revelou-crise-da-agua-antes-da-eleicao/
A assessoria de comunicação da Sabesp procurou o blogue e enviou a nota abaixo:
NOTA DA SABESP
1) O objetivo da reunião operacional foi de ampliar ao máximo as ações de comunicação para o uso racional da água junto aos funcionários da companhia. Vale destacar que a comunicação da Sabesp é feita de forma autônoma. E as decisões ocorrem no âmbito da companhia. Naquele momento, a diretoria da Sabesp discutia com o conselho de administração da companhia (órgão superior) a estratégia de comunicação.
2) Também naquele momento a diretiva era diminuir ao máximo a dependência do Sistema Cantareira. O contexto era de convencer, de forma contundente, os gerentes operacionais da companhia da necessidade de redução. A estratégia tem dado certo. A dependência do Cantareira diminuiu de 9 milhões para 6,5 milhões de pessoas, uma redução de cerca de 30%.

Imperdível, no blog Língua de Trapo

http://linguadetrapo.blogspot.com.br/2014/10/imaginem-se-dilma-tivesse-uma-imprensa.html

Tracking confirma queda de 8 pontos percentuais de Aécio, Dilma já está com 56%.

Para FHC: Dilma vai vencer com mais de 12.000.000 de votos, diz o Aposentado invocado um ignorante mal informado.






Do site Pragmatismo Político 

FHC diz que eleitor de Dilma é ignorante


“Não é porque são pobres que apoiam o PT e Dilma, é porque são menos informados”, diz FHC. Ex-presidente tucano se esquece, porém, que não conseguiria se eleger duas vezes presidente da República sem o voto dos menos favorecidos

fhc dilma aécio eleições
FHC chama eleitor de Dilma de desinformado e esquenta a disputa do segundo turno da eleição presidencial (divulgação)
Do site Pragmatismo Político